Pesquisa personalizada

OUÇA TEMAS DA BÍBLIA AGORA:

REALIZE UMA CAPACITAÇÃO, PALESTRA OU OFICINA SOBRE INDISCIPLINA, BULLYING E ATO INFRACIONAL:

Pesquisa personalizada

27 junho 2007

DROGAS MATAM 200 MIL POR ANO

Vício mata 200 mil por ano no mundo:

Apesar da tendência de queda no consumo mundial de drogas, o relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) ainda traz números preocupantes. Existem 25 milhões de dependentes químicos no mundo; 200 milhões de pessoas afirmam ter experimentado algum tipo de droga ao menos uma vez nos últimos 12 meses. Por ano, 200 mil morrem em decorrência do vício, embora seja um número bem inferior aos 5 milhões de mortes provocadas pelo consumo de tabaco.

A maconha é a droga mais popular, com 158 milhões de consumidores. O ecstasy, com 8,3 milhões, é considerada a mais perigosa. Os maiores mercados continuam sendo Europa e Estados Unidos, apesar do crescimento expressivo do consumo na China.

Por outro lado, a área plantada de ópio e coca no mundo caiu de 474 mil hectares, em 1990, para 357 mil hectares, em 2005 - uma queda de 25%. Em apenas seis anos, a queda na produção de coca foi de 29%. Além disso, metade de toda a cocaína e mais de 25% da heroína produzidas globalmente estão sendo apreendidas em ações policiais em diversos países.

Questão de saúde pública, diz especialista da ONU:

Para o diretor-executivo do Escritório da ONU contra Drogas e Crime (UNODC), Antonio Maria Costa, é preciso mudar a forma que o mundo lida com o tráfico de drogas.

- Esta é uma responsabilidade compartilhada nacional e internacionalmente, entre países que produzem e consumem, entre países vizinhos e entre todos os setores da sociedade.

Já o representante regional do UNODC para o Brasil e Cone Sul, Giovanni Quaglia, afirma que as drogas têm de ser tratadas como questão de saúde pública.

- É preciso trabalhar mais na prevenção e oferecer serviços a quem busca tratamento contra a dependência. E funciona. A Suécia, por exemplo, gasta 30% a mais em prevenção e tem 30% menos usuários de drogas do que a média européia - disse Quaglia.

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada